domingo, 28 de novembro de 2010

RELENDO O ENGANO


Engano,
Ledo engano.
Lendo e relendo o ledo engano.


Relendo e repassando,
revisando...
absorvendo,
refletindo,
remetendo.

As dores
aqui repartindo.
Dividindo.
E mais uma vez re-partindo.
Para em seguida tentar encontrar a dedo
onde está o meio,
relendo o mesmo engano.

Ou seriam vários?
Diversos,
transversos,
transpassados,
mas sempre pelo mesmo plano?

Do mesmo erro sutil.
Da constante e incerta tentativa de acerto.
Que sempre leva,
Ao mesmo meio, fim e começo
de um nada novo conhecido
escorregar pelo mesmo plano.

Um comentário:

Miriam D C de Oliveira disse...

Muito bom! Gostei especialmente da "constante e incerta tentativa de acerto". Acho que viver é isso, basicamente...