quinta-feira, 31 de maio de 2012

MÁQUINA DO TEMPO

É como insistir em descer escadas rolantes que sobem
ou tentar subir as que descem.

Ir e vir.
Sair e voltar.
Partir e retornar.

O mundo gira
e a hora passa
e, com isso, passamos ao seu redor.

Passamos e/ou passeamos pelo mundo.
Indo e vindo,
para a frente e para trás.

Fuso horário
"jet lag"
nos confunde o horário.

O que já foi,
ainda o será.
E o que o é,
ainda voltará a ser
o que já não é mais.

Um comentário:

Paulo Tamburro. disse...

Olá,poestisa

sou seu o seu mas novo seguidor.

Sua poesia é sobreudo uma sábia advertência, pois quando nesta escada rolante do tempo ,alguém tenta inverter a ordem natural das coisas, geralmente o tombo é inevitável.

Tenho um blog de humor, espero(rs).

HUMOR EM TEXTOS, e se puder dar uma passadinha por lá, ficarei honrado.

Estarei sempre aqu, pois gostei do que li e ainda falta ler muita coisa!

Um abração carioca.